Google+ Followers

segunda-feira, 18 de março de 2013

BUSCANDO O QUE FOI PERDIDO

Leia esse texto bíblico com bastante atenção:
Lucas 15:8-9
Ou qual é a mulher que, tendo dez dracmas e perdendo uma, não acende a candeia, não varre a casa e não a procura diligentemente, até achá-la? Quando a tiver achado, reúne as suas amigas e vizinhas, dizendo: Regozijai-vos comigo, porque achei a dracma que eu tinha perdido.

Essa parábola nos leva a uma mulher que, desesperada, buscava um bem perdido. Uma dracma. Segundo alguns historiadores a mulher descrita seria uma camponesa pobre e essas dez dracmas (dez moedas de prata) correspondiam a dez dias salário e, "provavelmente representavam o  suprimento da família".
Possa ser que tenha sido isso mesmo ou não, mas não quero aqui me prender aos fatos históricos.
Uma dracma nos dias atuais valeria, provavelmente, 0,01 centavo. Também não deveria valer muito naquela época para aqueles que possuíam maiores condições financeiras.
Talvez um valor tão pequeno aos nossos olhos que poderíamos até questionar o porque de tanto empenho, tanta diligência para encontrar o que foi perdido.
Poderia ser um valor pequeno para nós mas de grande significância para aquela mulher.

Há coisas que você chegou a amar muito, algo que parecia estar seguro e bem guardado mas,
por alguma razão, perdeu. Aquela mulher expressava uma angústia, uma preocupação, um desespero que foi notado pela maneira que ela procurava aquela dracma de um valor tão pequeno para muitos. Mas ela sabia o valor que tinha e o porque da busca. 
Há pessoas que perderam oportunidades, perderam ministérios, perderam a alegria, perderam a esperança e se veem numa situação como que nunca vão conseguir sair, diante de bloqueios que parecem intransponíveis, presas em labirintos, dentro de abismos e, então, se cansam.

Quero aqui observar quatro pontos no decorrer dessa parábola:
1- Aquela mulher tinha pedido uma dracma, um valor. Qual a dracma, qual o bem que você perdeu?
Há muitos que, por alguma atitude contrária ou decisões precipitadas, perderam coisas que já estavam tão entranhadas que até hoje sofrem com a dor.
Certa vez alguém me disse: "HÁ COISAS QUE QUANDO PERDEMOS É COMO QUE TIVÉSSEMOS PERDIDO UM FILHO".
Há outros que não cometeram algum pecado, mas diante de alguma adversidade deixou de crer e abriu-se uma janela para o salteador entrar e roubar algo precioso seu, quer físico ou espiritual.

2- Aquela mulher acendeu a luz para achar a dracma.
Será que há algum ponto em nós que está em obscuridade? Tenho plena convicção que quanto mais nos aproximamos e temos comunhão com o Deus Vivo, mais Ele vai nos mostrando os pontos de obscuridade que ainda permanecem em nós. Certa vez orei ao Senhor para que Ele me moldasse nas mínimas coisas e depois de algum tempo passei a perceber que haviam coisas do homem velho dentro de mim que eu mesmo não sabia que elas existiam ali e me foram reveladas.
Na escuridão, no tatear, torna-se difícil encontrar alguma coisa perdida em meio a tantas outras.

3- Ela decidiu varrer a casa (a casa estava suja!)
Quantos são os que se acostumam a conviver com a sujeira! Quantos são os que não percebem a sujeira que está em alguns compartimentos da vida.
Certo dia chamei a minha esposa e disse: vamos entrar em casa com os olhos dos outros? E, então, quando entramos vimos que tinha alguns cantos nas paredes precisando de reparos, pintura já um pouco suja, alguns móveis já não tão bons e resolvemos agir. Mas, até então, estávamos acostumados com aquilo. Nos acostumamos com certas situações espirituais que não foi Jeová quem nos colocou.
Jesus limpou o templo quando Ele percebeu sujeira, João 2:13-17. É Ele quem limpa-nos (sua casa em espírito) quando nos encontra sujos e permitimos Sua entrada e Seu poder transformador, Lucas 11:25.
Tirar a sujeira de onde NÓS SABEMOS QUE EXISTE será um grande passo para encontrar nossa "dracma".

4- A mulher procurou a dracma com atenção e diligência.
Existem momentos que precisamos fazer uma autoanálise, um autoexame. Aquela mulher foi procurar em lugares quase que improváveis de estar a dracma. Traves procurou mais de duas vezes num mesmo lugar na esperança de encontrar.
No Salmo 139:1 está escrito: Senhor, Tu me sondas e conheces.  Tu conheces o meu sentar e o meu levantar; de longe, entendes o meu pensamento.
O nosso Deus vai no mais profundo do nosso ser e traz à tona toda a nossa realidade espiritual.
Busquemos atentamente aonde falhamos, aonde faltou diligência, honestidade, santidade, fidelidade, vigilância e comunhão.
Talvez a mulher não tenha colocado suas dracmas em um lugar seguro, bem guardadas. Coisas que são preciosas devem ser guardadas em lugar seguro, NA PRESENÇA SANTA DO SENHOR, pois o salteador vive a espreita de um desleixe nosso.

MAS HÁ UMA PROMESSA! COMO ISSO ALEGRA O NOSSO ESPÍRITO!
Joel 2:24,26 diz: As eiras se encherão de trigo, e os lagares trasbordarão de mosto e de azeite. Comereis abundantemente, e vos fartareis, e louvareis o nome de Jeová, vosso Deus, que se houve maravilhosamente para convosco; E O MEU POVO NUNCA MAIS SERÁ ENVERGONHADO.

Aquela mulher passou por todos esses processos para depois encontrar sua dracma preciosa para si. Rapidamente ACENDEU A LÂMPADA, diligentemente VARREU A CASA e atentamente BUSCOU SEU TESOURO. E após encontrar, a angústia deu lugar a alegria, o desespero deu lugar ao sossego, a tristeza transformou-se em festa. GRANDE FOI A SUA ALEGRIA.

É desejo do Senhor Jeová ver-nos bem, é desejo do Senhor colocar-nos de volta no lugar de onde jamais deveríamos ter saído.
Nosso Deus é um bom Pai, Ele é boníssimo.
Noosa "dracma" será encontrada. Talvez até não saibamos quando, como, onde e de que forma!
Mas de uma coisa temos certeza:
PASSAREMOS POR TODOS OS PROCESSOS QUE FOREM NECESSÁRIOS, MAS POR FIM O NOME DO SENHOR SERÁ GLORIFICADO EM NOSSAS VIDAS!

Em Cristo,
Fábio Charles

Um comentário:

@Amigos_HR disse...

Irmão, que DEUS continue te usando poderosamente! Glória a Deus pela palavra! :)